terça-feira, 27 de janeiro de 2015

POLÍCIA CIVIL TEM O MENOR EFETIVO EM 16 ANOS, DIZ SINDICATO



Aprovados em concurso para agente e escrivão
da Polícia Civil cobram nomeação

Em parceria com o Sindicato dos Policiais Civis do DF, eles apresentaram a reivindicação à cúpula da diretoria da PCDF, que confirmou tratar a questão como prioritária



         Sindicato alerta, a falta de efetivo na PCDF prejudica o atendimento ao cidadão e as investigações.



Brasília, 26 de janeiro de 2015 - O Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF) participou, junto com a comissão que representa os 500 aprovados no último concurso da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), de uma reunião com a diretoria-geral da instituição na última quinta, 22.

O encontro teve como pauta a nomeação dos agentes e escrivães, que já concluíram todas as etapas do processo seletivo, incluindo o curso de formação. Eles foram recebidos pelo diretor-geral da PCDF, Eric Seba, pelo adjunto, Anderson Spíndola, pelo assessor jurídico da instituição, o delegado Rossi Farias, e pelo diretor do Departamento de Administração Geral da Polícia Civil, o delegado Silvério Moita. O deputado Reginaldo Veras, a convite da comissão de aprovados, também esteve na reunião.


O presidente do Sinpol-DF, Rodrigo Franco, o “Gaúcho”, diz que, quando questionados, os representantes da Direção da PCDF confirmaram que a nomeação desses agentes e escrivães é uma prioridade. “Todos os representantes da Polícia Civil confirmaram que essa é uma necessidade, principalmente diante da defasagem em que se encontra o efetivo”, afirma. Ainda segundo ele, o deputado Ronaldo Veras se comprometeu a levar a questão aos poderes Executivo e Legislativo, para que essas nomeações ocorram o mais rápido possível.

Uma das sugestões dadas pelo Sinpol-DF é que seja estabelecido um calendário com nomeações mensais. “Deixamos claro que essas nomeações são uma necessidade imediata, em razão do baixo efetivo e das aposentadorias dos últimos meses”, acrescentou Gaúcho.

Redução do efetivo


De acordo com um levantamento do sindicado, apenas neste ano 500 policiais irão se aposentar. “Além dessas nomeações, será necessária a convocação de um novo concurso. Temos acompanhado de perto essa questão, que é uma das nossas reivindicações”, destaca o presidente do Sinpol-DF.


O número de aposentados, porém, pode ser ainda maior de acordo com o primeiro vice-presidente do sindicato, Renato Rincon. Naquela estimativa, segundo ele, não foram considerados os policiais que ainda não averbaram o tempo de serviço de outras atividades profissionais exercidas antes do ingresso na Polícia Civil.


“Estamos com o menor efetivo dos últimos 16 anos. Apenas nos últimos quatro anos, houve uma redução de 15% no número de agentes de polícia e 19% de escrivães. Precisamos desses 500 aprovados para atender melhor à população”, afirma Rincon.


Prejuízos à população


Com esse quadro, o trabalho realizado pelos policiais civis está deficitário, prejudicando, assim, a população do DF. “As delegacias geram 15 mil ocorrências por ano. Com o efetivo atual, é impossível investigar. A população sofre, pois o atendimento não é o mesmo. Os serviços essenciais precisam ser mantidos, pois as investigações estão em segundo plano. A Polícia Civil não pode ficar restrita apenas ao atendimento em balcão”, acrescenta o primeiro vice-presidente do Sinpol-DF.


Ainda este mês, o Governo do Distrito Federal publicou uma nova norma que possibilita a convocação dos excedentes do último concurso para a Polícia Civil. São 217 candidatos que ainda não passaram pelo curso de formação. No entanto, ainda há mais de duas mil vagas em aberto apenas para o cargo de agente de polícia, o que indica a necessidade de mais concursos.



Fonte: Sinpol-DF.



Nenhum comentário:

Postar um comentário